Canonização de Irmã Dulce tem especial na TV Aparecida

A TV Aparecida, em parceria com a Rádio Aparecida e o A12, preparou uma cobertura jornalística da canonização de Irmã Dulce, que acontece em 13 de outubro, no Vaticano. No mesmo dia vai ao ar um documentário sobre a vida da religiosa. Antes, porém, nesta quinta-feira, 10 de outubro de 2019, a TV Aparecida antecipará suas homenagens exibindo um especial no programa Arquivo A, todo produzido na terra natal da santa, em Salvador (BA). E no dia 20 de outubro vai ao ar a celebração da missa em um estádio em Salvador.

O programa Arquivo A, que vai ao ar na TV Aparecida nesta quinta, 10 de outubro de 2019, às 22h, contará a história da primeira santa brasileira de nosso tempo, Irmã Dulce.

A reportagem foi até Salvador, onde ela nasceu e viveu, e visitou importantes lugares como a primeira casa em que a religiosa abrigou doentes. Será mostrada a comunidade dos Alagados, que recebeu grande atenção da santa, além de suas obras sociais. O programa conta com depoimentos de pessoas que conviveram com a religiosa, como a irmã Olívia Lucila da Silva, que auxiliou a futura santa com ações filantrópicas. A reportagem ainda conversou com a sobrinha de Irmã Dulce, Maria Rita, que atualmente administra as obras sociais e ainda com José Maurício Moreira, o miraculado que voltou a enxergar após o milagre creditado à religiosa.

Documentário e cerimônia de canonização

A TV Aparecida transmite ao vivo, no dia dia 13 de outubro, a cerimônia de canonização, às 5h15, direto do Vaticano. Às 13h, o documentário “Irmã Dulce” é exibido e em seguida, às 14h, a reprise da celebração que santifica irmã Dulce. Uma equipe de jornalistas da Rede Aparecida, formada por Ana Neri, Felipe Melo, Polyana Gonzaga e o cinegrafista Diego Rosa, estará na Praça de São Pedro para a cobertura desse evento tão importante para o catolicismo brasileiro.

E no dia 20 de outubro, às 17h, a TV Aparecida vai transmitir a missa, aqui no Brasil, em homenagem à Santa Irmã Dulce, que será celebrada na Arena Fonte Nova, em Salvador.

Biografia e milagres

Irmã Dulce, cujo nome de batismo é Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes, ficou conhecida por suas obras assistenciais aos necessitados. Religiosa da Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus, ela nasceu em Salvador, no dia 26 de maio de 1914.

Faleceu no dia 13 de março de 1992, aos 77 anos, no Convento Santo Antônio, em Salvador. A Associação Obras Sociais Irmã Dulce (Osid), fundada nos anos 1950 pela religiosa na capital baiana, atualmente é um dos maiores complexos de saúde 100% gratuito do Brasil, com 3,5 milhões de atendimentos ambulatoriais, por ano, a usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), entre idosos, pessoas com deficiência e com deformidades craniofaciais, pacientes sociais, crianças e adolescentes em situação de risco social, dependentes de substâncias psicoativas e pessoas em situação de rua.

São quatro as exigências do Vaticano para comprovar a veracidade das graças, até serem consideradas milagres: ser preternatural (a ciência não consegue explicar), instantâneo (acontecer imediatamente após a oração), duradouro e perfeito. No caso de Irmã Dulce, três graças alcançadas por devotos, após orações, estavam sendo analisadas pelo Vaticano, com vista ao processo de canonização da religiosa.

Esses três casos foram enviados ao Vaticano pelas Obras Sociais Irmã Dulce (Osid), em 2014, após análise de profissionais da própria instituição.

Fonte: TV Aparecida

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *